13/04
domingo

Dois mitos comuns sobre a pílula contraceptiva

Um dos mitos mais comuns é de que a pílula atrapalha a fertilidade futura. O uso prolongado do anticoncepcional não prejudica a capacidade de a mulher engravidar.
Outro mito frequente é achar que, após interromper o uso da pílula, o organismo leva um tempo para se tornar apto à gestação. Assim que o uso do medicamento é interrompido, a mulher está exposta ao risco da gravidez. No caso das versões injetáveis, pode haver um período de ação prolongada após a interrupção, mas isso só pode ser avaliado e informado pelo ginecologista.

 
08/03
sábado

Mitos sobre a pílula anticoncepcional

Mesmo com tanta informação e de fácil acesso, ainda existem vários mitos a respeito dos anticoncepcionais. Listamos alguns dos mitos mais comuns. Converse com o seu ginecologista sempre que tiver dúvida.

* “Toda cartela de anticoncepcional tem um comprimido falso”.
* “Alguns anticoncepcionais podem engordar”.
* “Após um bom tempo de uso do anticoncepcional, sua eficácia ficará comprometida e muitos efeitos colaterais irão aparecer”.
* “Após a colocação do anel vaginal, ele poderá mudar de posição”.
* “Tomar a pílula por muitos anos deixa o organismo acostumado e com isso a mulher poderá ter dificuldade para engravidar”.
* ” Alguns alimentos, como leite e limão, cortam o efeito da pilula anticoncepcional”.

 
15/11
quinta-feira

Alguns mitos sobre a pílula contraceptiva

O uso prolongado da pílula causa infertilidade?

Não. O que acontece é que na população em geral nós temos um determinado número de casais inférteis, digamos 10 – 20%. Muitas mulheres inférteis estão tomando a pílula por não saberem deste fato e ao interromper o método para engravidar logicamente não irão engravidar. A pílula não tem nada a ver com isto.
Precisa-se “descansar ” todo ano de tomar a pílula?
Não. Não existe nenhuma prova científica que esse descanso seja necessário. A usuária de pílula pode tomá-la sem tempo pré-determinado, desde que faça acompanhamento médico anual para controle.
A pílula engorda?

Depende de cada organismo e da pílula. Existem várias marcas de pílulas. As de baixa dosagem e mais modernas apresentam menor tendência de ganho de peso do que as mais antigas. Com essas pílulas, o ganho de peso (se houver) não passa de 1-2 kg. Já as garotas mais “gordinhas” de fato são mais susceptíveis a um aumento maior de peso.

Fonte: http://www.medicina.ufmg.br

 
06/08
segunda-feira

16 mitos e verdades sobre os métodos anticoncepcionais

1. Não pode usar absorvente interno com o anel vaginal: o absorvente íntimo interno pode ser usado, sim! Ele não empurrará o anel para o fundo do canal nem atrapalhará na hora de tirá-lo.

2. Quem usa o adesivo não pode pegar praia: poderosa para valer, a cola do adesivo não solta nem no mar!

3. É preciso fazer uma pausa para se “desintoxicar” do anticoncepcional: como a dose de hormônio atualmente é baixa, os anticoncepcionais podem ser usados sem pausa.

4. Posso emendar cartelas da pílula: use pílulas indicadas para isso, senão pode ocorrer sangramento fora de época.

5. Anticoncepcional engorda: isso só é comprovado no caso do anticoncepcional injetável de progestogênio..

6. Antibióticos cortam o efeito do anticoncepcional: nem todos os antibióticos fazem isso, mas vale usar preservativo quando tomar antibiótico.

7. Anticoncepcional previne contra DST: não importa qual método anticoncepcional você escolha: junto com ele, sempre use camisinha (a única que evita o risco de pegar doenças sexualmente transmissíveis, como a aids). Aliás, o DIU e SIU aumentam o risco de contaminação por DST.

8. Pílula causa varizes: se há histórico familiar, certas combinações hormonais podem provocar varizes.

9. Anticoncepcionais aumentam as chances de câncer: existem pesquisas que mostram que tanto os anticoncepcionais hormonais quanto o DIU ajudam na prevenção do câncer de colo do útero.

10. Anticoncepcional deixa infértil: depois de parar de usar o anticoncepcional, a fertilidade volta. O que acontece é que, com a idade, fica cada vez mais difícil engravidar.

11. A cordinha do DIU parece com a do OB: a cordinha que o médico usa para retirar o DIU fica para dentro do canal vaginal e não aparece.

12. Se vomitar após tomar a pílula, posso engravidar: caso tenha diarreia ou vomite logo depois de ingerir o anticoncepcional, você irá expeli-lo, perdendo seu efeito.

13. Fumante não pode usar anticoncepcional: antes dos 35 anos, a mulher fumante pode tomar a pílula normalmente, a não ser que tenha algum dos outros problemas que contraindicam o seu uso. Depois dessa idade, fumantes devem evitar os métodos que contêm estrogênio, pois a partir dos 35 ele aumenta a chance de problemas circulatórios no geral.

14. Se esquecer uma pílula devo parar e menstruar para começar outra cartela: o ideal é tomar a pílula esquecida o quanto antes e seguir o restante da cartela normalmente. No entanto, a prevenção se torna menos efetiva.

15. Posso engravidar mesmo usando anticoncepcionais: todos os anticoncepcionais têm uma margem de erro de pelo menos 0,01%. No caso da pílula, essa margem pode subir para 8% caso a mulher não a tome no horário certinho todos os dias.

16. Tomar pílula diminui a vontade de transar: algumas pílulas podem mudar o desejo sexual. Mas, aí, basta trocá-la por outra!

Fonte: http://www.camacarinoticias.com.br

 
02/08
quinta-feira

Mito: O uso da pílula anticoncepcional provoca acne

Na verdade, o contraceptivo oral pode até ajudar a tratar o problema. Quando as mulheres possuem maior taxa de hormônios masculinos, que causam acne, a pílula equilibra estes níveis, resolvendo o problema.

 
01/08
quarta-feira

Mito ou verdade: A pílula causa câncer

Parcialmente mito.

Justificativa:O uso contínuo de contraceptivos orais protege a mulher contra o câncer de ovário e endométrio. No caso do câncer cervical, apenas aquelas que contraíram HPV (doença sexualmente transmissível causada pelo papilomavírus humano) e fazem uso da pílula são mais propensas a desenvolver a doença. As pílulas que contém estrogênio em sua formulação podem aumentar a probabilidade de desenvolver câncer de mama em pacientes com histórico familiar para a doença.

 
14/06
quinta-feira

Mito: Mulheres que utilizam contraceptivo em regime contínuo tem mais risco de sofrer com efeitos adversos

Justificativa: Estudos demonstram que o uso contínuo não apresenta nem mais nem emnos riscos que aqieles provocados por pílulas do regime com pausa.

 
27/04
sexta-feira

Mito: É preciso fazer um período de descanso do uso da pílula

Sem indicação médica isso não é recomendado, já que aumenta a possibilidade de acontecer uma gravidez não planejada.

 
26/04
quinta-feira

Mito ou verdade: Pílula compromete a fertilidade

MITO

Justificativa: Isso não acontece. Quando a mulher quer engravidar, basta suspender o uso. A efrtilidade pode retornar no primeiro mês ou demorar um pouquinho mais, vai depender do organismo de cada pessoa.

 
21/06
segunda-feira

15 perguntas e respostas para mitos freqüentes envolvendo a pílula

Pílula engorda? Dá varizes? Prejudica a pele e os cabelos? Piora o humor? As dúvidas são tantas que muitas vezes é difícil separar os fatos dos mitos. A seguir, apresentamos algumas das questões mais comuns envolvendo a Pílula:

01 – Parar de tomar pílula pode causar acne.
Verdade. Os androgênios (hormônios masculinizantes) têm sido implicados na etiologia da acne vulgar, possivelmente por intensificar a hiperceratose folicular. Os ACOs reduzem os níveis sangüíneos de androgênios e, dessa forma, podem colaborar para diminuir a gravidade da acne. Por outro lado, com não existem verdades absolutas na medicina, em algumas raras mulheres a acne pode ser um efeito colateral da pílula.

02 – Alguns remédios podem anular o efeito do anticoncepcional.
Verdade. Sabe-se que a ampicilina, por exemplo, um antibiótico bastante comum e utilizado no tratamento de infecções urinárias, faringo-amigdalites e pneumonias, entre outros, pode reduzir a eficácia dos ACOs. Ainda, várias drogas anti-convulsivantes (utilizadas no tratamento de diversas formas de epilepsia) podem diminuir a eficácia dos anticoncepcionais orais. Nesses casos, a mulheres devem se certificar de que o contraceptivo oral escolhido contenha pelo menos 50 microgramas de etinil-estradiol ou mestranol.

03 – Mulheres que usam pílula têm maior risco de câncer de mama e de útero.
Vamos por partes. O risco de câncer de mama é praticamente o mesmo entre usuárias e não-usuárias de ACOs. Nos tumores malignos do endométrio (camada mais interna do útero) e do ovário, a pílula exerce um efeito protetor – as usuárias de ACOs apresentam metade do risco de câncer de endométrio e ovário das não-usuárias.

Entretanto, o uso de contraceptivos orais por mulheres jovens parece associar-se ao surgimento de miomas uterinos (tumores benignos) na pré-menopausa, mas são necessários outros fatores reprodutivos (a pílula não leva a culpa sozinha…).

Quanto à relação entre câncer de cérvice uterina e uso de ACOs, parece não existir consenso – alguns estudos indicam um aumento na incidência, mas nada está definitivamente comprovado.

04 – Pílula engorda.
Ainda que o ganho de peso esteja entre as queixas mais comuns das mulheres que utilizam ACOs, estudos mostraram que isto pode não ser completamente verdadeiro. Uma pesquisa recente avaliou a variação de peso de 128 mulheres em uso de contraceptivos orais durante 4 meses e descobriu que 72% das pacientes não apresentaram qualquer alteração de peso no final do período. Assim, queixar-se de ganho de peso já não é a melhor desculpa para interromper o uso da pílula…

05 – Pílula faz mal para o cabelo.
Não existem evidências científicas comprovando este fato.

06 – A pílula me encheu de varizes.
Os ACOs possuem diversos efeitos sobre o sistema cardiovascular e é possível que estejam envolvidos de alguma forma no desenvolvimento de teleangiectasias (varizes), mas as pesquisas produziram resultados controversas até o momento.

07 – Depois que comecei a tomar a pílula, meu humor mudou.
Podem ocorrer náuseas, dor de cabeça, dor nos seios, sangramentos vaginais irregulares e depressão nos primeiros meses de uso da Pílula, mas estes efeitos colaterais freqüentemente cessam após alguns meses.

08 – A Pílula pode ser usada no tratamento da endometriose.
ACOs realmente fazem parte do tratamento não-cirúrgico desta doença. Progestinas isoladamente podem ser úteis e são a primeira escolha de muitos especialistas.

09 – Depois que comecei a tomar a pílula, não tive mais cólicas menstruais.
A menstruação dolorosa (chamada de dismenorréia pelos médicos) é menos freqüente nas mulheres que não ovulam. Por isso, os ACOs podem ser úteis em 70-80% dos casos de dismenorréia. Quando a pílula é suspensa, as mulheres geralmente sentem a mesma intensidade de dor que apresentavam antes do seu uso.

Todavia, alguns ACOs podem estar associados à ocorrência de hipermenorréia (menstruação muito volumosa e intensa) e a falta de controle de problemas no ciclo menstrual, caracterizada principalmente por sangramentos irregulares e menstruações dolorosas, são problemas comuns enfrentados por algumas usuárias de contraceptivos orais, sendo uma das principais razões de suspensão do uso – cerca de 1/3 das mulheres em uso de ACOs apresentam sangramentos (spottings)intermenstruais.

10 – Mulheres que tomam Pílula demoram mais para engravidar quando param.
Verdade. O retorno à fertilidade em mulheres que interromperam o uso de ACOs leva mais tempo quando comparado às mulheres que interromperam outros métodos contraceptivos, mas não parece haver prejuízo da fertilidade como um todo.

11 – Com o tempo, a Pílula ajuda a proteger os ossos.
Algumas pesquisas têm mostrado que o uso de altas doses de ACOs em mulheres após a menopausa diminui o risco de fraturas e suspeita-se que seu uso possa melhorar a densidade mineral óssea em mulheres jovens, mas faltam maiores comprovações científicas.

12 – Mulheres com doença falciforme não podem tomar Pílula.
Mulheres com drepanocitose (doença falciforme) freqüentemente não fazem uso de contraceptivos orais contendo estrogênio e progesterona, pois preocupam-se com a possibilidade dos hormônios piorarem a doença. Estudos laboratoriais não encontraram evidências comprovando este temor.

13 – Mulheres com Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) não devem tomar Pílula.
Verdade. Os contraceptivos orais podem precipitar episódios de LES em mulheres portadoras desta doença.

14 – Tenho mais de 40 anos e acabei de ter minha última menstruação. Não preciso mais tomar pílula.
Perigo! Este tipo de comportamento está arriscado a ser premiado com uma gravidez indesejada. Nas mulheres que estão entrando na menopausa, recomenda-se o uso de ACOs por 12 meses após a última menstruação.

15 – A Pílula pode piorar a asma.
Mentira. As alterações nos níveis hormonais parecem ter um papel importante na gravidade da asma nas mulheres e cerca de 30 a 40% das mulheres apresentam flutuações na gravidade das crises relacionadas ao ciclo menstrual. A crise tende a ocorrer três dias antes e durante os quatro dias da menstruação. Os anticoncepcionais orais podem ajudar estes casos, nivelando as flutuações hormonais.